quarta-feira, julho 22, 2009

O bruxo em italiano

Em Goiania já era tradição: segunda-feira, dia de ir ao cinema. Quando fixei a data de vinda para a Itália sabia que não manteria este costume, mas tinha certeza de que o primeiro filme que veria na telona era Harry Potter e o Enigma do Príncipe, ou Harry Potter and the Half-Blood Prince.

Aqui na Itália, porém, o correto não é o primeiro e nem o segundo nome. Naturalmente, se chama Harry Potter e il Principe Mezzosangue. Só que a tradução para o italiano não para por aí. Diferente do Brasil, os filmes exibidos aqui são todos traduzidos. Nada de língua original e de legenda.

Já que moro em um centro pequeno, há apenas dois cinemas na minha cidade. Um deles, acreditem, está fechado devido às férias de verão. Coisa de italiano. O outro só está exibindo um filme em um única sessão diária, às 22:00. Por minha sorte o filme da vez é o do bruxo. Hoje criei coragem e encarei.

Logo na entrada um ponto positivo em relação ao Brasil. O ingresso inteiro custa 6,5 euros, ou seja, bastante acessível para os cidadãos daqui. Na Itália não tem meia, mas sim um preço reduzido que, se não me engano, era de 4,5 euros.

O cinema só tem uma sala, grande e confortável. Tá, o espaço entre filas é pequeno, mas para o meu tamanho sempre é e sempre será, independente do local. A poltrona não tem um encosto muito grande, mas é de veludo e bem fofa.

Notei que era, talvez, a única pessoa que havia ido sozinho. Casais de namorados, famílias, mãe e filho. O cinema por aqui é lazer para grupos. Não diferente do Brasil, é verdade. Antes do filme, música. Não fugindo a atual regra, um repertório inteiro de Michael Jackson.

Queria avaliar a pontualidade. Não estou na Inglaterra, mas mesmo na Itália as pessoas são muito mais pontuais do que no Brasil. Ponto positivo. Exatamente às 21:59 mais 30 e alguns segundos a iluminação abaixou e o filme começou.

Nada de traillers, nem dos famigerados comerciais. A primeira imagem que veio foi o símbolo da Warner Brothers e daí já prosseguiu-se. A tela não era grande e as cortinas para os corredores não foram fechadas, deixando entrar iluminação para dentro da sala. Ponto negativo.

Exatamente na metade do filme a projeção parou. Hora do intervalo. Todos de pé para irem no banheiro, ou comprar mais pipoca.

O meu maior temor era em relação à língua. Ver algo em outro idioma sem legenda não é fácil. A história foi amadurecendo e, se eu não entendia 100%, pelo menos não fiquei perdido em nenhuma parte. É claro que já tinha lido o livro duas vezes, e já conhecia bem a história, mas até mesmo nos trechos que foram enxertados pelo roteirista não tive maiores problemas. Nas piadas a minha moral só aumentava, já que eu conseguia compreender e rir juntamente com a platéia italiana.

Não vou avaliar o filme, até porque estava tão rodeado de coisas novas que preferi me divertir ao invés de 'caçar defeitos'. Aliás, na minha humilde opinião, este foi o melhor livro de todos os sete. Achei falta de uma batalha mais ampla no final, como é narrado por J.K. Rowling. Saí do cinema satisfeito, pronto para a próxima. Desde que, é claro, o enredo não seja tão profundo que meu italiano não de conta do recado.

PS.: Estive um pouco ocupado nos últimos dias, por isto não atualizei. Continuarei com as novidades constantes. Tenho muita coisa para escrever, sobre a minha ida a Pisa, o festival latino-americano em Milão, os banheiros públicos na Itália, as minhas primeiras experiencias como motorista, além das clássicas, como andar de trem na Itália e quanto custa para morar por aqui. Aguardem!!

4 comentários:

Maria Cristina disse...

Coisa de italiano nada, coisa de baiano fechar cinema nas férias!! Eu hein?! Nossa, me deu fobia entrar num cinema com filme em outra língua, eu sairia correndo!!!

Saudade Du!

Bjão

Ana Carolina disse...

Nossa Du...
Nem consigo imaginar um filme parando para o intervalo.
Se bem que em alguns poucos casos seria bem interessante.

beijos

Anônimo disse...

Vem cá. Cinema duplado??? É só aí onde você está ou geral na Itália? Achei muito ruim isso.
Não estava acompanhando seu blog, mas agora vou passar a ler. Conta logo quanto custa morar!
Abraço e tudo de bom!
Fabiana

Eduardo Sartorato disse...

Olá Fabiana!! Cinema dublado é a única opção aqui na Itália, infelizmente, rsrs!! E, pelo que sei, na Espanha tb.... Acho que os europeus não gostam de ficar lendo as legendas, rsrs.... Obrigado pela leitura, continue deixando as mngs.... bjos!!

powered by Blogger | WordPress by Newwpthemes | Converted by BloggerTheme