sábado, maio 08, 2010

E quem ganhou? Ninguém.....

Prometo escrever menos do que no outro post. Sei que política britânica não é um assunto muito interessante para nós, brasileiros, mas acho importante escrever um outro post, já que o jogo ficou embolado. Quem gosta de política vai gostar de fazer um paralelo entre o processo eleitoral aqui e no Brasil. De qualquer forma, meu objetivo é deixar registrado como é, mais ou menos, as eleições britânicas. Se alguém quiser pesquisar no futuro, pode usar estas informações como uma fonte em português, já que vi muito pouco escrito sobre o assunto na nossa lingua materna.

As eleições acabaram, mas a polêmica não. Quem será o primeiro-ministro? Ninguém sabe ainda. O trabalhista e atual líder de governo, Gordon Brown, pode continuar mesmo que seu partido não tenha conseguido o maior número de cadeiras (258). O seu sucessor também poderá ser o conservador David Cameron, que conseguiu o maior número de parlamentares (306), mas não suficiente para chegar à maioria (326).

Neste ponto, peço licença para corrigir uma informação do texto anterior. Os parlamentares eleitos não votam para eleger o primeiro-ministro, mas a rainha Elizabeth II convida o líder do partido que conseguiu a maioria do parlamento a compor um novo governo. Como ninguém conseguiu, o jogo continua em aberto.

O que ocorrerá então? Como havia comentado, o Partido Liberal Democrata (LibDem) será o fiel da balança. O seu líder Nick Clegg (foto) não tem chances de assumir a Downing Street, 10, mas é a peça política mais importante do momento. Isto porque o partido conquistou 57 cadeiras e pode fechar um governo de coalização tanto com conservadores, como com trabalhistas.

Clegg já começou a conversar com o conservador Cameron, para tentar chegar a um acordo. Uma aliança entre os dois partidos é a única opção viável para se ter um governo de maioria, já que juntos eles possuiriam 363 cadeiras. O problema é a diferença de idéias (ideais políticos e sociais) entre os dois. Por exemplo, Clegg e os LibDem querem uma reforma política, a mudança do voto distrital para proporcional, o que fortaleceria o seu partido em futuras eleições. Os conservadores são contra.

Gordon Brown ligou para Clegg e se pôs a disposição para conversar, se eles não chegarem a um acordo com os conservadores. Juntos, trabalhistas e democratas possuem 315 cadeiras, não conseguiriam a maioria, mas poderiam tentar formar um governo de minoria com alguns partidos menores. Os nanicos conquistaram 28 cadeiras, mas não marcharão unidos, já que as diferenças entre eles são muito grandes. São constituídos desde radicais separatistas, até partidos mais progressistas, como o Partido Verde, que conseguiu o seu primeiro assento em toda a história política britânica.

Um governo de minoria, tanto por parte de conservadores, quanto por trabalhistas, também pode governar discutindo para a aprovação de cada matéria, separadamente. Guardadas as proporções, isto ocorreu no governo Alcides Rodrigues (PP), em Goiás, onde o pepista enfrentou uma oposição 'às escuras' na Assembléia Legislativa, já que a maioria sempre foi do PSDB. A cada matéria o governador tinha que dialogar com os deputados e buscar o consenso sobre uma coisa ou outra. É mais democrático, mas muito mais devegar e desgastante.

Até chegarem a um concenso, Gordon Brown continuará como primeiro-ministro. Não há prazo para atingirem um acordo, mas muitos por aqui apontam 25 de maio como o dia D, quando a rainha fará um pronunciamento à nação e falará sobre as prioridades do novo governo. Veremos o que ocorrerá.

2 comentários:

Ana Carolina disse...

Ainda bem que eles tem rainha...

Ana Carolina disse...

Adorei vc ter passeado no meu blogger.

powered by Blogger | WordPress by Newwpthemes | Converted by BloggerTheme